Por Paula Novaes

Como sua organização tem cuidado da saúde mental dos colaboradores? Um estudo encomendado pela Microsoft, feita pela Work Productivity Trends, mostra que o Brasil está no topo da lista, entre os países pesquisados, com 44% de pessoas que se dizem exaustas ao longo deste período que estamos vivendo da pandemia.

Muitos são os indicadores, dentre eles, o aumento da jornada de trabalho, falta de separação da vida pessoal e profissional, sensação de desconexão com os times e o medo de contrair o Covid-19. “De acordo com a pesquisa The Future of Work and Digital Wellbeing – Protecting Employees in a Covid-19-shaped World, feita pela divisão de pesquisa, análise e investigação da The Economist e com apoio da Allianz Partners, 61% dos mil empregados entrevistados revelaram que não tiveram uma boa conversa com seus gerentes sobre saúde mental durante a quarentena. Ainda segundo o estudo, 77% disseram que as empresas deveriam oferecer orientação e regras para trabalhar de casa.” (HSM Management)

E como monitorar ou dirimir esta sensação de exaustão sentida pelos colaboradores? A liderança é um dos principais pontos, através dela os colaboradores são orientados e manter o canal de comunicação ativo é essencial para o bom andamento das atividades e esclarecimento de qualquer dúvida que possa gerar algum tipo de desconfiança ou desconforto.

Um segundo passo, seria manter uma comunicação eficaz sobre saúde mental no ambiente coorporativo além de demonstrar real preocupação com as condições de trabalho estabelecidas. Estimular um ambiente de trabalho humanizado e empático, flexibilização de rotinas, sempre que possível, contribuindo para que o profissional encontre o melhor formato para ele.

De acordo com a revista Exame, através de uma pesquisa da Falconi, 83% das empresas consultadas definiram o modelo híbrido como a melhor saída para o pós-pandemia, o “home budget”, benefício que empresas dão aos colaboradores para a aquisição de equipamentos de infraestrutura e subsídio de custos relacionados ao trabalho remoto, tem sido adotado de forma mais ampla e tem trazido bons resultados no que diz respeito a autonomia dos colaboradores, redução do tempo de deslocamento, otimização das horas de trabalho, melhora na qualidade da alimentação, entre outros.

O principal ativo das organizações são as pessoas, é importante que o empregador se preocupe constantemente sobre como seus colaboradores estão se sentindo, esse cuidado cria vínculos e faz o profissional se sentir mais seguro em relação ao trabalho. Profissionais desmotivados não produzem, pelo contrário, quando estão motivados produzir com qualidade é algo natural.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), no Brasil, 11,5 milhões de pessoas sofrem de depressão e até 2030 essa será a doença mais comum no país. A síndrome de Burnout ou esgotamento profissional, também vem crescendo e já é um problema a ser enfrentado pelas empresas, inclusive já foi reconhecida pela OMS como uma doença relacionada ao trabalho.

Saúde mental, é reponsabilidade, e uma boa gestão conseguirá manter a dose certa da cobrança, da autonomia, da quantidade de trabalho, além claro, do engajamento com as equipes e nesse momento é a criatividade quem tem dado uma ajuda importante. Mantenha uma comunicação transparente que indique a situação da empresa, como os gestores estão lidando com as adversidades, como a empresa está conduzindo a crise e principalmente qual o papel do colaborador dentro desse processo.

A inclusão de um programa de saúde mental na área estratégica da empresa é fundamental na manutenção não só do bom andamento das atividades, como um pilar essencial na contribuição de um bom clima organizacional. Tornando o tempo que o colaborador dedica ao trabalho, saudável e sendo retribuído de forma profissional.

Cabe a cada empresa analisar quais as suas necessidades em relação a presença diária de seus colaboradores nos escritórios, mas não deveria ser uma opção ter um acompanhamento psicológico eficiente com um trabalho que ajude os colaboradores a estarem saudáveis para exercerem suas funções. Um ambiente ideal é construído através de uma organização que valoriza seus colaboradores, motiva e trabalha de forma humanizada. Esse é um papel muito importante do RH estratégico, que deve ser a realidade das empresas que visam o futuro.

A Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) em parceria com o Ministério da saúde, desenvolveram uma cartilha de recomendações gerais na pandemia, com informações que ajudam a identificar os tipos de problemas e o grau de gravidade, acessando o site da Fiocruz.